sexta-feira, 14 de setembro de 2007

alentejo não tem sombra


Torrão - Alentejo, Portugal
2007


"Como quem num dia de Verão abre a porta de casa
E espreita para o calor dos campos com a cara toda,
Às vezes, de repente, bate-me a Natureza de chapa
Na cara dos meus sentidos,
E eu fico confuso, perturbado, querendo perceber
Não sei bem como nem o quê...
Mas quem me mandou a mim querer perceber?
Quem me disse que havia que perceber?

Quando o Verão me passa pela cara
A mão leve e quente da sua brisa,
Só tenho que sentir agrado porque é brisa
Ou que sentir desagrado porque é quente,
E de qualquer maneira que eu o sinta,
Assim, porque assim o sinto, é que é meu dever senti-lo..."
Alberto Caeiro, O Guardador de Rebanhos

1 comments:

Anónimo 10/26/2008 3:19 da tarde  

Oi ana! Gostei muito do seu blog.É muito bonito ver a forma sensível como vc expõe suas fotos. Parabens!

ass: Roberta

Impressões

Grãos no pó

  © Blogger template 'anaPaipita' adapted from Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP