domingo, 20 de novembro de 2005

naufrágio #2


Canoa, Equador
2005


"De queda em queda ainda chamejaste e cantaste.
De pé como um marujo sobre a proa de um barco.
Floresceste ainda em cantos e brotaste em correntes.
Oh sentina de escombros, poço aberto e amargo.
Mergulhador cego e pálido, derrotado e fundeiro,
descobridor perdido, tudo em ti foi naufrágio!"
A Canção Desesperada, Pablo Neruda

0 comments:

Impressões

Grãos no pó

  © Blogger template 'anaPaipita' adapted from Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP